Angélica Salvi e João Pais Filipe

Lugar Elástico

Panteão Nacional

26 Set., 22h00,

Concerto imersivo que junta a harpista Angélica Salvi com o percussionista João Pais Filipe. Angélica Salvi toca harpa com recursos eletrónicos, tendo lançado o aclamado álbum “Phantone” em 2019. João Pais Filipe, que editou “Sun Oddly Quiet” em abril deste ano, é um impressionante percussionista que constrói gongos, pratos e outros instrumentos de percussão.
Este concerto será criado especialmente para o espaço do Panteão Nacional: a harpa de Angélica irá fundir-se com o som contínuo dos gongos de João, numa viagem meditativa pela transcendência sem misticismos, uma comunhão pulsante com o espaço nobre que é o Panteão Nacional e a sua acústica profundamente reverberante. Será um concerto único, irrepetível, inteiramente desenhado para este contexto.

Immersive concert that joins harpist Angélica Salvi with percussionist João Pais Filipe. Angélica Salvi plays the harp with electronic resources, having released the acclaimed album “Phantone” in 2019. João Pais Filipe, who edited “Sun Oddly Quiet” in April this year, is an impressive percussionist who builds gongs, cymbals and other percussion instruments.
This concert will be created especially for the National Pantheon space: Angélica’s harp will merge with the continuous sound of João’s gongs, in a meditative journey through transcendence without mysticism, a pulsating communion with the noble space that is the National Pantheon and its deeply reverberating acoustics. It will be a unique, unrepeatable concert, entirely designed for this context.

Angélica Salvi

http://www.angelicasalvi.net/

Harpista espanhola radicada no Porto há alguns anos, tem desenvolvido um trabalho exploratório no seu instrumento com uma variedade realmente heterogénea de colaboradores musicais e transdisciplinares, ainda que essencialmente focada em trabalho de improvisação. Para além de leccionar no Conservatório de Música local, já atuou também como solista com a Orquestra Sinfónica da Casa da Música ou o celebrado Remix Ensemble.
Das suas colaborações com músicos icónicos como Han Bennink ou Evan Parker, do que lhe conhecemos em palco e de discos, o seu vocabulário vai-se sempre adaptando de acordo com contexto e ideias, a nível de timbres e efeitos, mantendo sempre uma identidade própria. Com “soloist speech”,  realizou várias digressões por Europa e Estados Unidos.

Spanish harpist living in Porto for a few years, she has built an exploratory work on her instrument with a really heterogeneous variety of musical and transdisciplinary collaborators, although essentially focused on improvisation work. In addition to teaching at the local Conservatory of Music, she has also performed as a soloist with the Casa da Música Symphony Orchestra or the celebrated Remix Ensemble.
From her collaborations with iconic musicians like Han Bennink or Evan Parker, from what we know on stage and from records, her vocabulary is always adapting according to context and ideas, in terms of timbres and effects, always maintaining its own identity . With “soloist speech”, she has toured, several times, in Europe and the United States.

João Pais Filipe

https://joao-pais-filipe.tumblr.com/

(n. 1980) é um baterista/percussionista e escultor sonoro do Porto. O seu percurso enquanto músico é caracterizado pela abordagem a uma grande amplitude de estilos e linguagens, em bandas como os Sektor 304, HHY&The Macumbas, Unzen Pilot e Fail Better!, Pedra Contida, Radial Chao Opera, Two White Monsters Around a Round Table, ao mesmo tempo que mantém uma actividade regular no universo da música improvisada, tendo participado em inúmeros projectos ao lado de nomes como os de Steve Hubback, Fritz Hauser, Evan Parker, Marcello Magliocchi, Stefano Giust, George Haslam, Carlos “Zíngaro” e Rafael Toral. João Pais Filipe desenvolve, complementarmente ao seu trajecto como músico, um trabalho de construção de gongos, pratos e outros instrumentos percussivos de metal, através do qual explora tanto as propriedades acústicas destes objectos como a sua potencial dimensão escultórica e imagética.

João Pais Filipe

(b. 1980) is a drummer / percussionist and sound sculptor from Porto. His career as a musician is characterized by his approach to a wide range of styles and languages, in bands such as Sektor 304, HHY & The Macumbas, Unzen Pilot and Fail Better !, Pedra Contida, Radial Chao Opera, Two White Monsters Around a Round Table, while maintaining a regular activity in the world of improvised music, having participated in numerous projects alongside names such as Steve Hubback, Fritz Hauser, Evan Parker, Marcello Magliocchi, Stefano Giust, George Haslam, Carlos “Zíngaro” and Rafael Toral. João Pais Filipe develops, in addition to his career as a musician, a work of construction of gongs, cymbals and other metal percussive instruments, through which he explores both the acoustic properties of these objects as well as their potential sculptural and imagery dimension.