ATLAS DE INSTRUMENTOS UTÓPICOS

Destinado a Artistas, Músicos, Curiosos, Entusiastas, Melómanos, Pequenos e Graúdos ou simplesmente apaixonados pelo que o som nos diz ou traduz. Qualquer pessoa, a partir dos 7 anos. O Atlas de Instrumentos Utópicos é um conjunto de instrumentos, fontes sonoras e dispositivos electroacústicos que têm como ponto comum a mediação entre as novas possibilidades de composição electroacústica e a performance musical. Englobam vários geradores de som produzidos no âmbito das criações da Sonoscopia, sofrendo posteriormente um processo de reflexão teórica que tem lugar anualmente, no encontro de instrumentos musicais experimentais organizado pela associação denominado Som Desorganizado.
Nas ações de formação, são os próprios participantes que constroem os seus instrumentos, que ficam depois ao seu dispor para aperfeiçoamento das suas técnicas de execução instrumental e de criação musical a solo ou em ensembles de instrumentos utópicos.
Indo ao encontro das características físico/sonoras do Reservatório da Patriarcal, a oficina “Atlas de instrumentos Utópicos/Sonografia Subterranica”, conduzida por Henrique Fernandes, propõe uma performance sonora/colaborativa, idealizada unicamente para ser interpretada neste espaço. Os participantes, para além da interpretação da peça sonora em si, terão oportunidade de construir os próprios instrumentos/objetos sonoros utilizados durante a performance.

Até 20 participantes
Inscrições: lisboasoa@gmail.com

HENRIQUE FERNANDES / SONOSCOPIA, PT

Henrique Fernandes iniciou os seus estudos musicais no ano de 1992 na Escola Profissional e Artística do Vale do Ave, na classe de contrabaixo do Prof. Alexander Samardjiev, tendo concluído em 2005 o curso superior de música, na especialidade de Contrabaixo na Escola Superior de Música e
Artes do espectáculo do Porto, na classe do Prof. Florian Petzborn. Paralelamente ao universo da música erudita, integra diversos projectos da música experimental, tais como: Mécanosphère, Lost Gorbachevs, Two white monsters around a round table, Sektor 304, Stealing Orquestra,Estilhaços, Radial chao opera, Srosh ensemble, Space ensemble, entre outros. Tocou com Damo Suzuki, Steve Mackay, Jon Rose, John Zorn Cobra (dirigido por John Zorn), Três Tristes Tigres, Mark Stewart, Alfred Harth, Fritz Hauser, Adolfo Luxúria Canibal, entre muitos outros. Tem tocado regularmente em toda a Europa. Nos últimos anos uma parte significativa do seu trabalho tem incidido na construção de instrumentos musicais e objectos sonoros de cariz experimental, que utiliza em diversos projectos musicais ou educativos. Membro fundador da Sonoscopia.