Fernando Mota

Concerto para uma Árvore

Pátio da Galeria Monumental

26 e 27 Set. 11h00

Concerto para uma árvore marca o início de uma pesquisa à volta de objectos sonoros e instrumentos musicais experimentais criados a partir de árvores e outros materiais naturais.

O instrumento Hárvore foi criado a partir de um carvalho cortado numa limpeza de terrenos na Serra de Montemuro em Fevereiro deste ano. Durante a quarentena esta pequena árvore foi-se lentamente transformando num instrumento musical, com cordas esticadas entre os seus ramos e sinos em lugar de flores.

Esta performance representa o início de uma pesquisa que se adivinha longa. Depois de MAPA e Mininu, os seus dois últimos trabalhos enquanto intérprete e criador, se debruçarem sobre questões políticas e sociais como território, fronteiras, migrações e refugiados, abre-se aqui um novo ciclo, em que se procura que a beleza e a energia da natureza nos traga alguma elevação e nobreza de espírito.
A arte como cura.

Concert for a tree marks the beginning of a search around sound objects and experimental musical instruments created from trees and other natural materials.

The Hárvore instrument was created from an oak cut in a land clearing in the Serra de Montemuro in February this year. During the quarantine this small tree slowly became a musical instrument, with strings stretched between its branches and bells instead of flowers.

This performance represents the beginning of a research that is expected to be long. After MAPA and Mininu, his last two works as an interpreter and creator, focusing on political and social issues such as territory, borders, migrations and refugees, a new cycle opens, in which one seeks that beauty and energy of nature bring us some elevation and nobility of spirit.
Art as a cure.


Fernando Mota

http://www.fernandomota.com

Desde 2010 que tem vindo a criar uma série de espectáculos desenvolvendo uma linguagem cénica multidisciplinar e universal, em criações como “MININU”, “MAPA” (estórias de mundos distantes) e “QUANDO O HOMEM LAVRAVA O MAR”, juntando o teatro, a música, a poesia e as artes visuais.

O seu universo musical resulta do cruzamento de diversas linguagens, geografias e ferramentas, como o estudo de instrumentos tradicionais de  várias culturas, a construção de instrumentos experimentais e objetos sonoros e a utilização de elementos da natureza e sons do quotidiano nas suas composições. Enquanto criador de espectáculos tem vindo a pesquisar novas formas de contar histórias recorrendo a várias áreas de expressão artística e a várias possibilidades de as ligar entre si.
Desde 1994 que compõe música para teatro, dança e cinema de animação, tendo colaborado com diversos diretores, companhias e produtoras. Algumas destas criações ganharam diversos prémios nacionais e internacionais, incluindo o “Prémio Nacional da Crítica” 2004 (Associação Portuguesa de Críticos de Teatro), “Prémio de Melhor Espectáculo” no Festival de Avignon 2005 (ADAMI – Prémio do Público), entre outros. Com vários deles realizou itinerância em países como a Alemanha, França, Itália, Espanha, Cabo-Verde, Roménia, Rússia, Irão, Brasil e Grécia.

Pela música original e espaço sonoro de “Por Detrás dos Montes” do Teatro Meridional, recebeu uma Menção Honrosa (Prémio Nacional da Crítica 2006, promovido pela Associação Portuguesa de Críticos de Teatro) e o Prémio de Melhor Música Original dos Prémios de Teatro 2007 do Guia dos Teatros. “Saudade – Terres D’eau” da Cie. Dos à Deux, com banda sonora original sua, recebeu o Prémio de Melhor Espectáculo no Festival de Avignon 2005 (ADAMI – Prémio do Público). Em 2007 recebeu o Prémio Melhor Obra Portuguesa no 8º Concurso Internacional de Composição Electroacústica (Festival Música Viva).     Foi ainda nomeado para o Europe Prize New Theatrical Realities XI, promovido em 2008 pela Comissão Europeia com o alto patrocínio do Parlamento Europeu.

Since 2010 he has been creating a series of shows developing a multidisciplinary and universal scenic language, in creations such as “MININU”, “MAPA” (stories from distant worlds) and “WHEN THE MAN WASHED THE SEA”, bringing together theater, music, poetry and visual arts.

His musical universe results from the crossing of different languages, geographies and tools, such as the study of traditional instruments from different cultures, the construction of experimental instruments and sound objects and the use of elements of nature and everyday sounds in its compositions. As a show creator, he has been researching new ways of telling stories using various areas of artistic expression and various possibilities of linking them together.
Since 1994 he composes music for theater, dance and animation cinema, having collaborated with several directors, companies and producers. Some of these creations have won several national and international awards, including the 2004 National Critics Award (Portuguese Association of Theater Critics), Best Performance Award at the Avignon Festival 2005 (ADAMI – Audience Award), among others. With several of them, he roamed in countries such as Germany, France, Italy, Spain, Cape Verde, Romania, Russia, Iran, Brazil and Greece.

For the original music and sound space of “Por Detrás dos Montes” by Teatro Meridional, he received an Honorable Mention (2006 National Critics Award, promoted by the Portuguese Association of Theater Critics) and the Best Original Music Award at the 2007 Theater Awards of Theaters Guide. “Saudade – Terres D’eau” by Cie. Dos à Deux, with his original soundtrack, received the Best Show Award at the Avignon Festival 2005 (ADAMI – Audience Award). In 2007 he received the “Prize for Best Portuguese Work” at the 8th International Electroacoustic Composition Competition (Festival Música Viva). He was also nominated for the “Europe Prize New Theatrical Realities XI”, promoted in 2008 by the European Commission with the high sponsorship of the European Parliament.