Gonçalo Alegria

Coro (seleção open call)

Estufa Fria de Lisboa

24 – 27 Set. 10h00 – 18h30

Na tragédia grega o “khoros” desempenha funções que nos chegam da história como voz de um grupo não individualizado de pessoas que procura dar informação e situar na peça o espectador, por forma a não o perder no progresso da narrativa. Chega-nos em textos o que diz, mas sabemos também que seriam dançados e cantados. Nesta instalação sonora deixamos a máscara, prosopon e o som da voz operar o como é dito, recorrendo às mesmas técnicas usadas pelo coro ao qual se retira o corpo dançante, deixando uma série de cabeças animadas que sustentam o que o colectivo uniforme diz, uma “voz cidade” que tornam o espectador passante, alvo de sua contracena, que se vê agora como actor sem texto, e é a este que se dirige o som, a sua voz multiplicada e dirigida. 
O coro projecta as vozes em simultâneo, contrapontualmente e também em nuvem, um processo estocástico que produzem uma experiência sonora e de sentidos textuais. O texto usado é retirado da Electra de Sófocles, sobretudo a parte do coro, formado por mulheres micénicas que questionam a dor da protagonista, acabando por expor o sexismo presente na sociedade grega.

In the Greek tragedy, the “khoros” performs functions that come from history as the voice of a non-individualized group of people that seeks to provide information and situate the spectator in the play, so as not to lose it in the progress of the narrative. What we say in texts comes to us, but we also know that they would be danced and sung. In this sound installation we let the mask, prosopon and the sound of the voice operate as it is said, using the same techniques used by the choir to which the dancing body is removed, leaving a series of animated heads that support what the uniform collective says, a city ​​voice that makes the spectator pass by, the target of his opposite scene, who now sees himself as an actor without text, and this is where the sound is directed, his multiplied and directed voice.
The choir projects the voices simultaneously, counterpointly and also in the cloud, a stochastic process that produces a sound and textual experience. The text used is taken from Sophocles’ Electra, especially the part of the choir, formed by Mycenaean women who question the protagonist’s pain, ending up exposing the sexism present in Greek society.


Gonçalo Alegria

https://www.instagram.com/6.1.2.3.0/

Estudou música com Walter Lopes, José Eduardo, Mário Delgado. Frequência do Curso de Ilustração do Ar.Co entre 2002 e 2004. Foi professor de Som e Luz na Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espetáculo. Frequentou o Curso de Artes da Performance Interdisciplinares e Tecnológicas, Programa Gulbenkian Criatividade em 2008. Frequenta o Mestrado em Artes Musicais da FCSH.
É membro do coletivo Silvestre Alegria. No seu trabalho pessoal desenvolve uma pesquisa artística interdisciplinar onde se dedica à escrita de textos, trabalho sonoro, radiofónico, performático, cénico, entre outras matérias.
Trabalha em teatro desde 1999. Colaborou entre outros com: Galeria Zaratan, Miguel Castro Caldas, Andresa Soares, Matthieu Erlacher, Ainhoa Vidal, Marina Nabais, Radio Zero, Companhia Caótica, João Ferro Martins, Alexandre Calado, Daniela Silvestre, Máquina Agradável, Silvia Pinto Coelho, João Pedro Vaz, SubUrbe, Teatro Praga, Ninho de Víboras e Teatro Meridional. Escreveu para o programa de culinária O Ingrediente Secreto. Fez captação, música e montagem de som para cinema.


He studied music with Walter Lopes, José Eduardo, Mário Delgado. Frequency of the Ar.Co Illustration Course between 2002 and 2004. He was professor of Sound and Light at the Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espetáculo. He attended the Interdisciplinary and Technological Performance Arts Course, Gulbenkian Creativity Program in 2008. He attends the Master in Musical Arts at FCSH.
He is a member of the Silvestre Alegria collective. In his personal work he develops an interdisciplinary artistic research where he is dedicated to writing texts, sound, radio, performance, scenic work, among other subjects.
He has worked in theater since 1999 and collaborated, among others, with Galeria Zaratan, Miguel Castro Caldas, Andresa Soares, Matthieu Erlacher, Ainhoa ​​Vidal, Marina Nabais, Radio Zero, Companhia Chaótica, João Ferro Martins, Alexandre Calado, Daniela Silvestre, Máquina Pleasant, Silvia Pinto Coelho, João Pedro Vaz, SubUrbe, Teatro Praga, Vipers Nest and Teatro Meridional. Wrote for the cooking show The Secret Ingredient. He did recording, music and sound editing for cinema.