O concerto de encerramento do Lisboa Soa terá lugar no Reservatório da Patriarcal, a partir da instalação sonora Sublumia, de Henrique Fernandes e Jorge Quintela, concebida para este lugar.

HENRIQUE FERNANDES, PT

Henrique Fernandes iniciou os seus estudos musicais no ano de 1992 na Escola Profissional e Artística do Vale do Ave, na classe de contrabaixo do Prof. Alexander Samardjiev, tendo concluído em 2005 o curso superior de música, na especialidade de Contrabaixo na Escola Superior de Música e
Artes do espectáculo do Porto, na classe do Prof. Florian Petzborn. Paralelamente ao universo da música erudita, integra diversos projectos da música experimental, tais como: Mécanosphère, Lost Gorbachevs, Two white monsters around a round table, Sektor 304, Stealing Orquestra,Estilhaços, Radial chao opera, Srosh ensemble, Space ensemble, entre outros. Tocou com Damo Suzuki, Steve Mackay, Jon Rose, John Zorn Cobra (dirigido por John Zorn), Três Tristes Tigres, Mark Stewart, Alfred Harth, Fritz Hauser, Adolfo Luxúria Canibal, entre muitos outros. Tem tocado regularmente em toda a Europa. Nos últimos anos uma parte significativa do seu trabalho tem incidido na construção de instrumentos musicais e objectos sonoros de cariz experimental, que utiliza em diversos projectos musicais ou educativos. Membro fundador da Sonoscopia.

JORGE QUINTELA, PT

Jorge Quintela nasceu no Porto em 1981 formou se em Fotografia e Áudio-Visual em 2003 na Escola Superior Artística do Porto desde 2004 trabalha regularmente em cinema como Director de Fotografia de curtas e longas metragens. Em 2003 é convidado para fazer parte da organização “Cinema Pobre” estrutura de Formação e Programação de cinema na cidade do Porto. Em 2004 é formador de imagem da associação “Os filhos de Lumiere” em diversas oficinas de cinema pelo país. Desde 2005 trabalha com a Associação Cinematográfica “Olho de Vidro” na produção de vários filmes. É desde 2009 produtor associado da produtora de Cinema “Bando á Parte” Em 2010 realizou um filme documentário sobre o musico Legendary Tigerman “On The Road To Femina” que estreou no Festival de cinema IndieLisboa 2010 e realizou o filme “Ausstieg” recebendo uma Menção Honrosa na secção da competição experimental do Festival Curtas de Vila do Conde 2010. Em 2011 realizou “o amor é a solução para a falta de argumento” que recebeu o prémio de melhor curta portuguesa em 2012 no Fest Film Festival de Espinho. Em 2013 ganha o grande Prémio do Festival Internacional de Curtas de Vila do Conde com Carosello e no Festival Luso Brasileiro o Premio de melhor curta metragem e prémio do Publico.