INSTALAÇÕES SONORAS / SOUND INSTALLATIONS

Félix Blume é engenheiro de som para cinema. Como muitos dos seus colegas,

ele passa horas sozinho após a rodagem para gravar “sons sós”.

Estes sons são chamados de “sós” porque não têm uma imagem síncrona, mas também

porque o engenheiro de som é geralmente solitário, longe dos sons agitados da equipa,

sempre ocupado a procurar ruídos e atmosferas típicas do local que irão enriquecer

a futura edição de filmes. É a partir dessas expectativas e obstinação que um ouvido externo

acharia estranho ou divertido, que Felix Blume teve a ideia de criar estes pequenos vídeos.

Félix Blume (França, 1984) é um artista sonoro e engenheiro de som.

Ele trabalha e vive atualmente entre o México e a França.

O seu trabalho é focado na escuta e convida-nos a viver experiências sonoras

que possibilitam uma perceção diferente do ambiente. Ele usa o som como material básico

em peças sonoras, vídeos, ações e instalações. O seu processo é frequentemente colaborativo,

trabalhando com comunidades e usando o espaço público como contexto no qual ele explora

e apresenta seus trabalhos. Ele está interessado em mitos e na sua interpretação contemporânea,

em diálogos humanos tanto com contextos naturais e urbanos habitados,

em que as vozes podem dizer mais do que palavras.

As suas composições foram transmitidas em rádios de todo o mundo e também e

m diferentes lugares como o Centre Pompidou e o Musée d’Orsay (França).

Conquistou o prémio “soundscape” pelo seu último vídeo, Curupira, criatura da madeira,

e o prémio “Pierre Schaeffer”, pela sua obra Los Gritos de México, na Phonurgia Nova Awards.

Em 2018, ele fez uma instalação sonora específica do local intitulada Rumors from the Sea,

composta de centenas de bambus e flautas na costa de Krabi, uma obra encomendada pela Bienal da Tailândia.

Participou em festivais e exposições internacionais como LOOP Barcelona (2015), CCCB Barcelona (2015),

Tsonami Arte Sonoro Chile (2015, 2018), Fonoteca Nacional México (2016), Ex Teresa México (2016),

CENTEX Chile (2017) , CTM Berlim (2017), Festival Belluard (2018), Artes Santa Monica Barcelona (2018)

e Bienal da Tailândia (2018), entre outras.

//

Félix Blume is a sound engineer for the movies. Like many of his colleagues,

he spends hours after the shooting, recording “lonely sounds”. They are called lonely

because they don’t have a synchronous image, but it could also come from the fact that

the engineer is lonely, away from the bustling sounds of the team, busy finding noises

and atmospheres typical to the location, that will enrich the future film editing.

It is from these expectations and obstination that an outside ear could find strange or funny,

that Félix Blume got the idea to create these short films.

Félix Blume (France, 1984) is a sound artist and sound engineer.

He currently works and lives between Mexico and France.

His work is focused on listening, it invites us to live sonic experiences that enable

a different perception of the surrounding. He uses sound as a basic material in sound pieces,

videos, actions and installations. His process is often collaborative, working with communities,

using public space as the context within which he explores and presents his works. 

He is interested in myths and their contemporary interpretation, in human dialogues both

with inhabited natural and urban contexts, in what voices can tell beyond words.

His sound pieces have been broadcasted in radios from all over the world and also

in different places such as Centre Pompidou and Musée d’Orsay (France).

He has awarded with the “soundscape” prize for his last video-piece Curupira, creature of the wood 

and the “Pierre Schaeffer” prize for his work Los Gritos de Méxicoat the Phonurgia Nova Awards.

In 2018, he did a site-specific sound installation entitled Rumors from the sea, composed

of hundred of bamboos and flutes on the coast of Krabi, a work commissioned by the Thailand Biennale. 

He has participated in international festivals and exhibitions as LOOP Barcelona (2015),

CCCB Barcelona (2015), Tsonami Arte Sonoro Chile (2015, 2018), Fonoteca Nacional Mexico (2016),

Ex Teresa Mexico (2016), CENTEX Chile (2017), CTM Berlin (2017), Belluard Festival (2018),

Arts Santa Monica Barcelona (2018) and Thailand Biennale (2018) among others.