Locais

Projetado em 1746 e concluído em 1834, o reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras serviu para armazenar e distribuir a água aduzida pelo Aqueduto das Águas Livres. Com uma capacidade de 5.500 m3, tem 7,5 metros de profundidade. É um espaço de grande beleza que, na sua cobertura, possui um terraço com uma vista deslumbrante sobre Lisboa. Concluída após a morte de Carlos Mardel, é uma verdadeira “catedral da água” que supera a sua função, oferecendo à cidade um dos seus monumentos históricos mais iconográficos.

Praça das Amoreiras 10, 1250-020 Lisboa

O Reservatório Patriarcal, também conhecido como a Represa da Praça de D. Pedro V, está localizado no subsolo, sob o jardim do Príncipe Real. Foi projetado em 1856 como parte do projeto de fornecimento de água a Lisboa pelo engenheiro francês Louis-Charles Mary. O reservatório, construído entre 1860 e 1864, foi concebido para abastecer o centro da cidade de Lisboa. A sua forma octogonal corresponde ao polígono representado pela cerca de ferro ao redor do lago que fica sobre o depósito de água no centro do jardim do Príncipe Real. O Reservatório da Patriarcal foi desativado no final da década de 1940.

Praça do Príncipe Real, 1250-096 Lisboa

A galeria do Loreto foi uma das cinco galerias que compunham o sistema do Aqueduto das Águas Livres. O seu comprimento, todo subterrâneo, era de 2.835 metros e incluía todos os seus ramais e canais.