Margarida Mendes

Water Walk

Sound Walk

27 Set. 10h00

Mais informações e inscrições através de lisboasoa@gmail.com

máximo de 15 participantes

duração: 1h30

Percurso frente ribeirinha.

Tomando o rio Tejo como ponto de partida para uma reflexão ecocrítica sobre a dimensão sónica dos ecossistemas aquáticos, este passeio narra a cidade expandida através da lente do rio, analisando o som como um vetor que define relações interespécies. Refletiremos como os resíduos sónicos da industrialização e do turismo afetam comunidades costeiras e aquáticas – dos sapais da Reserva Natural do Estuário do Tejo aos bairros ribeirinhos – debatendo as principais infraestruturas em desenvolvimento, bem como projetos de monitorização de ruído e estudos sobre o comportamento dos peixes. Esta caminhada faz parte da pesquisa de Margarida Mendes sobre literacia costeira e ecologia acústica e incluirá exercícios de escuta acima e abaixo da linha d’água.

Taking the Tejo river as a point of departure for an ecocritical reflection about the sonic dimension of aquatic ecosystems, this soundwalk narrates the expanded city through the river lens, analysing sound as a defining vector for interspecies relations. We will expand on how the sonic residues of industrialisation and tourism are affecting coastal and aquatic communities – from the Tejo Estuary Natural Reserve marshlands, to riverine neighbourhoods – debating major infrastructures that are being developed, as well as noise monitorisation projects and studies on fish behaviour and shipping. This walk is part of Margarida Mendes research on coastal literacy and acoustic ecology and will include listening exercises above and below the waterline.

Margarida Mendes

Margarida Mendes é curadora e investigadora e trabalha em Lisboa. Explorando a sobreposição entre a cibernética, a ecologia e o filme experimental, a sua investigação centra-se nas transformações dinâmicas do meio ambiente e o seu impacto nas estruturas sociais e na produção cultural. Mendes está interessada em explorar formas alternativas de educação e de resistência política através da sua prática colaborativa, da programação e do ativismo. A sua atividade como curadora estende-se por todo o mundo, tendo integrado a equipa curatorial da exposição “The Eighth Climate (What Does Art Do?)”, parte da 11ª Bienal de Gwangju, e a 4ª Bienal de Design de Istambul, “A School of Schools”. Em 2016 comissariou a exposição de longa duração “Matter Fictions”, no Museu Coleção Berardo, Lisboa, tendo o catálogo sido coeditado pela Sternberg Press. Dirigiu diversas plataformas educativas, como escuelita, uma escola informal no Centro de Arte Dos de Mayo — CA2M, Madrid (2017); The Barber Shop, um espaço de projetos em Lisboa dedicado à investigação transdisciplinar (2009–16); e a plataforma de investigação curatorial ecológica “The World In Which We Occur”, um projeto em curso desde 2014. É doutoranda no Centre for Research Architecture, Visual Cultures Department da Goldsmiths University de Londres.