performances

Performance audiovisual que explora as relações entre som, luz e outros fenómenos físicos,

através do uso de objetos comuns e produzindo reações materiais de causa e efeito.

Uma experimentação sobre a sua influência simbólica e física no comportamento humano.

A performance é desenvolvida através de montagens e manipulações espaciais de diferentes

dispositivos passivos e ativos convencionais, da transdução de impulsos de energia numa variedade

de sons e intensidades de luz. A duração e desenvolvimento de cada performance envolve

a arquitetura do lugar e do observador como fatores decisivos, modificando cada situação em função

das suas reações e respostas. Té No. 3 (El Alambique) é uma exploração em torno do dualismo

do que consideramos animado e inanimado. Os sons não são meros produtos do que está vivo

ou um fenómeno residual, são entidades vivas ainda que transitórias; até mesmo o que está morto

ou inanimado continua a ressoar. Pensar a partir desta perspetiva anímica para a performance

dissolve os limites percetuais e fenomenológicos entre objetos, energias e corpos,

gerando e influenciando uns e outros com resultados inesperados.

O trabalho de Rodrigo Araya é focado nas interações entre objetos, signos e códigos,

e a sua influência psicológica e física como mecanismos de regulação e disciplina.

Através deles, Araya pesquisou estruturas de poder e sistemas de conhecimento para descobrir

lógicas e regras de normalização social e política. Os seus projetos são caracterizados por uma

estética que entrelaça diferentes elementos e disciplinas, interessada mais nas relações entre

as coisas do que nelas isoladamente. Uma das suas principais preocupações é o modo como tudo

se modela culturalmente e limita a capacidade de perceber e representar.

As suas obras assumem a forma de gráficos, música, publicações, textos, colagens, esculturas e instalações.

 

//

Audiovisual performance that explores the relationships between sound, light and other physical phenomena

through the use of ordinary objects, producing material reactions of cause and effect.

An experimentation on its symbolic and physical influence on human behavior. The performance is developed

by assembling and spatially manipulating different passive and active conventional devices, transducing energy

pulses in a variety of sounds and light intensities. The duration and development of each performance involves

the architecture of place and the observer as decisive factors, modifying each situation according

to its reactions and responses. Té No. 3 (El Alambique) is an exploration around the dualism of what we

consider animate and inanimate. Sounds are not merely products of what is alive or a residual phenomenon;

they are living, albeit transitory, entities; even what is dead or inanimate continues to resonate.

This perspective on performance dissolves the perceptual and phenomenological boundaries between objects,

energies and bodies, generating and influencing each other with unexpected results.

Rodrigo Araya’s work focuses on the interactions between objects, signs and codes,

and their psychological and physical influence as mechanisms of regulation and discipline.

Through them, Araya researched power structures and knowledge systems to discover the logic and rules

of social and political normalization. His projects are characterized by an aesthetic that interweaves different

elements and disciplines, interested more in the relations between things than in them alone.

One of his main concerns is how everything is culturally modeled and limits the ability to perceive and represent.

His works take the form of graphics, music, publications, texts, collages, sculptures and installations.