SIRIUS, PT

Com uma actividade pontual em aparições públicas já desde 2013, este duo formado pelo jovem trompetista Yaw Tembe e pelo sapiente percussionista Francisco Trindade aka Monsieur Trinité leva esse trabalho contínuo de comunhão e depuração a um primeiro ponto perene com a edição do seu álbum de estreia – Acoustic Main Suite Plus The Inner One – pela sempre respeitável Clean Feed Records.
Tembe abandona o processamento do trompete para explorar a amplitude sónica do trompete a cru, num balanço de lirismo, contemplação e risco que o eleva a um léxico cada vez mais seu, nas passadas de grandes como Jon Hassell, Bill Dixon e Don Cherry. Num mesmo plano e com o saber de décadas, Monsieur Trinité faz da textura harmonia – e vice-versa – recorrendo a um pequeno arsenal de percussões onde cada batida, movimento e raspagem assumem o seu lugar nesta narrativa plena de silêncio, contenção e ataque.

Nenhum deles tem algo parecido com o que ouvimos no Acoustic Main Suite Plus the Inner One, álbum gravado no Panteão Nacional e que será continuado com este concerto na Mãe d’Água das Amoreiras.

YAW TEMBE, PT

Tembe está envolvido em bandas como Zarabatana, com a sua abordagem tribalista de free jazz (ele chama de “dirty garage world jazz”), e Gume, uma mistura de hard bop com outras formas ancestrais da diáspora africana, desde a afro-cubana Rumba ao haitiano Rara, também colaborando com o “folk estranho” do guitarrista Norberto Lobo.

FRANCISCO TRINDADE, PT

Trinitee tocou nos anos setenta com Carlos “Zingaro”, como membro da banda de violinistas não-idiomáticos Plexus, e mais tarde associou-se a duas outras figuras chave em Portugal no que toca ao jazz criativo e de improvisação minimalista, Ernesto Rodrigues e Sei Miguel. Um homem de muitos projetos (Welcome to Silkeborg, Dark Magus – uma homenagem a Miles Davis -, Psico-Free e Manicomio, etc.)